Coração acelerado: será ansiedade?

Por: - Médico Cardiologista - CRM/SC 4101 RQE 1132
Publicado em 08/08/2018 - Atualizado 08/02/2019

Coração acelerado: será ansiedade?

Notar o coração acelerado é um sinal de alerta em situações de nervosismo, estresse, emoções fortes e esforços físicos intensos, além de outras condições que são capazes de deixar os batimentos cardíacos acelerados. Por isso, caso o coração esteja acima de 100 batimentos por minuto, enquanto o indivíduo encontra-se em repouso e sem nenhum motivo aparente, essa pode ser uma indicação de algum problema cardíaco.

O que significa coração acelerado?

Conhecida como taquicardia, a aceleração dos batimentos é uma reação natural do organismo que reage em situações em que o corpo necessita de mais oxigênio, quando encontra-se em contextos de perigo, para executar ações como fugir, correr, lutar ou ter maior resistência.

Da mesma forma, durante a realização de atividades físicas, o coração bate mais rapidamente para irrigar os músculos com oxigênio e nutrientes. No entanto, o estresse e a ansiedade também são condições onde há o aumento da frequência cardíaca.

Causas da taquicardia

Dentre suas diversas causas, a taquicardia apresenta algumas como mais comuns:

  • ansiedade;
  • estresse;
  • consumo de bebidas estimulantes como chás, energéticos e café;
  • consumo exagerado de álcool;
  • tabagismo;
  • uso de determinados medicamentos e drogas;
  • desidratação;
  • hipoglicemia;
  • anemia;
  • febre;
  • doenças reumáticas;
  • infecções;
  • hipertireoidismo;

Você sabe medir seus batimentos cardíacos?

Ao verificar as condições da saúde cardíaca, é possível medir os batimentos cardíacos da seguinte maneira:

  • estar em repouso por pelo menos cinco minutos, antes de iniciar a contagem;
  • caso seja possível, deite-se ou sente-se de maneira confortável;
  • meça a pulsação de forma suave, colocando a ponta dos dedos indicador e médio sobre o pulso que se opõe. Assim, será possível sentir os batimentos cardíacos pela pulsação da artéria que passa pelo punho;
  • movimente ou pressione os dedos para os lados, até sentir a pulsação;
  • ao encontrar a pulsação, marque o tempo de um minuto no relógio e verifique quantas pulsações contaram nesse período.

A frequência cardíaca normal, para um adulto em repouso, pode variar de 60 a 100 batimentos por minuto. No entanto, caso os batimentos marquem acima de 100, isso dirá que o coração está mais acelerado do que o normal.

É muito importante estar atento à sua saúde cardiológica. Se verificar a persistência do coração acelerado sem motivo aparente, procure um cardiologista para verificar se há a presença de alguma arritmia cardíaca. Isso será possível avaliar segundo a solicitação do eletrocardiograma.

Crises de ansiedade e aumento dos batimentos cardíacos

Sabemos que a ansiedade é uma condição de sentimento desagradável, vago e indefinido, que pode ser acompanhado de sensações como frio no estômago, tremores, falta de ar, aperto no peito e coração acelerado. Conforme vimos, essa condição se dá como um sinal de alerta, levando o indivíduo a se defender de ameaças.

No entanto, quando essas crises tornam-se frequentes, deixa de ser um contexto natural de proteção e passa para o quadro de ansiedade patológica. Ou seja, o indivíduo passa a usar essa condição de alerta como um fator estressante, o que acaba atrapalhando a sua reação em momentos de perigo. Assim, o transtorno de ansiedade generalizada consiste em uma doença crônica, com curtos períodos de remissão e interferência na saúde psicológica do indivíduo.

Visite um cardiologista

Por isso, é fundamental compreender as causas de batimentos acelerados do coração, assim como verificar a saúde cardiológica em geral. Dessa maneira, é essencial visitar regularmente um cardiologista e evitar possíveis consequências e complicações que podem surgir em decorrência de batimentos cardíacos acelerados.

Material escrito por:
Médico Cardiologista - CRM/SC 4101 RQE 1132

Diretor técnico da Unicardio, o Dr. Harry Correa Filho é formado em medicina pela UFSC e especialista em cardiologia pelo Instituto de Cardiologia de Santa Catarina, onde já foi diretor. É professor de cardiologia na Unisul e Pesquisador de estudos clínicos, como EMERAS, ISIS 4, PARAGON, PLATO e TRILOGY.