Dor no peito: o que pode ser?

18/01/2018 | | publicado por

Dor no peito: o que pode ser?

A dor no peito que algumas pessoas sentem pode ser sinal de algum problema cardiovascular, digestivo ou respiratório. Há a possibilidade, ainda, de ser uma dor muscular ou estar relacionada a transtornos como o de ansiedade ou de síndrome do pânico, que possuem fundo psicológico.

Mediante às várias prováveis causas da dor no peito, o mais certo a fazer é consultar-se com um médico. A realização do diagnóstico correto indicará o tratamento adequado para o que estiver causando a dor.

A pessoa deve buscar auxílio médico independentemente da idade. Tanto pessoas mais velhas quanto as mais novas estão sujeitas a ter um infarto, refluxo, gastrite ou úlcera, ou embolia pulmonar. Essas são algumas das doenças que apresentam como sintoma a dor no peito.

Como saber se a dor no peito é um sintoma do infarto

A forma de saber se a dor no peito está relacionada a um ataque cardíaco é compreendendo as características da doença. A dor no peito específica de quando uma pessoa tem um infarto irradia também para os ombros, os braços e até para o abdômen.

A dor surge em resposta ao entupimento das artérias que levam o sangue para o coração. A falta de fluxo faz com que o órgão entre em falência. A dor é o alerta para o que está acontecendo no interior do organismo.

Outros sinais característicos do infarto são o suor frio e a falta de ar. A dor é persistente e pode ser sentida por 20 minutos, ininterruptamente. É possível que o sintoma se manifeste antes e por menos tempo, cerca de quatro minutos. Neste caso, sinaliza que as artérias não estão completamente obstruídas e que algo está afetando o seu funcionamento.

Fatores como ser fumante, ter familiares que já sofreram infarto, ser diabético e hipertenso elevam as chances de a dor estar mesmo relacionada a algum problema do coração.

É um hábito esperar para ver se a dor passa. Às vezes, o tempo de espera pode ser determinante para a detecção do infarto a tempo de impedir consequências maiores. Na dúvida, buscar o auxílio médico é a atitude mais acertada.

A partir de um eletrocardiograma e de um exame de sangue já é possível avaliar se está tudo bem com o coração. A análise sanguínea permite identificar, ainda, a vitalidade das células do coração.

O infarto é uma das doenças que mais vitima pessoas no Brasil. É preciso estar atento para não ser parte das estatísticas. Alimentar-se corretamente, praticar uma atividade física e fazer check-ups de acordo com o recomendado são cuidados que fazem toda a  diferença para a saúde. Prevenir é sempre a melhor escolha!