Fatores de risco para doenças cardiovasculares

23/06/2017 | | publicado por

Fatores de risco para doenças cardiovasculares

Fatores de risco para doenças cardiovasculares são todas as condições que aumentam as chances de uma pessoa desenvolver uma patologia no coração ou nos vasos sanguíneos. Alguns deles são modificáveis, ou seja, podem ser prevenidos e, até, evitados. Outros, não há como controlar, por isso, são conhecidos como irreversíveis.

Os principais fatores de risco para doenças cardiovasculares que não podem ser modificados são a idade, o sexo e a hereditariedade. Todos os outros podem ser facilmente contornados, desde que a pessoa tenha determinação para mudá-los.

7 fatores de risco para doenças cardiovasculares que são modificáveis

Sedentarismo

O sedentarismo é caracterizado pela falta de inclusão de uma atividade física na rotina. Dos fatores de risco para doenças cardiovasculares, esse é um dos mais simples de serem modificados, pois basta sair para caminhar durante 30 minutos por dia para fortalecer a capacidade cardiorrespiratória.

Obesidade

O principal indicador de obesidade é o Índice de Massa Corporal (IMC). Uma pessoa é considerada obesa quando seu IMC está acima de 30. Para calculá-lo, deve-se dividir o peso pelo quadrado da altura:

IMC = peso / altura x altura

Calculadora de IMC



Geralmente, o acúmulo de gordura no organismo se deposita na região do abdômen. Por isso, a circunferência abdominal é considerada um indicativo de risco para o desenvolvimento de doenças cardíacas e diabetes. Homens com medidas abaixo de 80 centímetros e mulheres com medidas menores que 94 centímetros estão entre o grupo que possui menor chance de ter problemas no coração.

Hipertensão arterial

A pressão arterial é a pressão que o sangue exerce sobre os vasos sanguíneos quando impulsionado pelos batimentos cardíacos. É medida através de dois números, um máximo e um mínimo, que representam:

  • máximo: a força com que o coração bombeia o sangue, chamada sistólica;
  • mínimo: a pressão exercida nos vasos sanguíneos dos braços, pernas e abdômen, chamada diastólica.

Uma pessoa com pressão arterial considerada normal não excede os 120 milímetros de mercúrio (mmHg) na medida máxima, nem está abaixo de 80 mmHg na medida mínima. É o popular 12×8.

Todo indivíduo deve controlar sua pressão arterial, verificando-a, ao menos, uma vez por ano. Caso perceba qualquer alteração, deve procurar auxílio médico para a realização de um check-up.

Estresse

O estresse também é um dos fatores de risco para doenças cardíacas porque provoca mudanças hemodinâmicas no organismo.

Colesterol alto

O aumento da quantidade de gordura no sangue pode ocasionar a obstrução das artérias do coração e prejudicar o bom funcionamento do sistema cardíaco. O ideal é que o valor do colesterol HDL, considerado bom, não exceda os 200 miligramas por decilitro (mg/dl) e que o do colesterol LDL, ou “mau colesterol’, permaneça, sempre, próximo de 130 mg/dl.

Triglicerídeos elevados

Os triglicerídeos são a gordura existente no sangue, proveniente de alimentos que contenham muito carboidrato, como doces em geral, refrigerante e mel. Esse tipo de lipídio também pode obstruir as artérias e causar danos ao coração. Para não correr esse risco, deve-se manter o nível de triglicerídeos abaixo de 150 mg/dl.

Diabetes

A diabetes surge quando o nível de glicose (açúcar) no sangue é muito alto e há deficiência na produção de insulina. A substância é necessária para as células transformarem o açúcar em energia para o corpo. Sem ela, a glicose circula livremente pela corrente sanguínea, provocando alterações físicas perigosas para o coração.

Guia do coração: cuidado e prevenção

Material Educativo

Guia do coração: cuidado e prevenção

Baixar