Coração acelerado: será ansiedade?


Publicado em 11/10/2021

Coração acelerado: será ansiedade?

É normal sentir o coração acelerado em situações de nervosismo, estresse, emoções fortes e esforços físicos intensos, além de outras condições que conseguem deixar os batimentos cardíacos mais rápidos.

 

Mas, quando isso ocorre sem razão aparente, dura por longos períodos e é acompanhado por sintomas, como dor no peito e desmaios, é necessário prestar atenção e procurar ajuda médica quanto antes!

 

Se a frequência cardíaca está acima de 100 batimentos por minuto, enquanto o indivíduo encontra-se em repouso e sem nenhum motivo especial, essa pode ser uma indicação de algum problema cardíaco, como a taquicardia sinusal e taquicardia ventricular.

 

Vamos falar mais sobre isso ao longo deste conteúdo. Continue lendo e confira!

 

O que significa coração acelerado?

 

Conhecida como taquicardia, o coração acelerado é uma reação natural do organismo em situações que o corpo necessita de mais oxigênio, quando se encontra em contextos de perigo, para executar ações, como:

  • fugir;

  • correr;

  • lutar e

  • ter mais resistência.

 

Da mesma forma, durante a realização de atividades físicas, o coração bate mais rapidamente para irrigar os músculos com oxigênio e nutrientes. No entanto, a taquicardia pode ter outras causas.

 

Causas da taquicardia

 

Dentre suas diversas possibilidades, a taquicardia pode ser originada por:

  • ansiedade;

  • estresse;

  • consumo de bebidas estimulantes, como chás, energéticos e café;

  • consumo exagerado de álcool;

  • tabagismo;

  • uso de determinados medicamentos e drogas;

  • desidratação;

  • hipoglicemia;

  • anemia;

  • febre;

  • doenças reumáticas;

  • infecções e

  • hipertireoidismo.

 

Por que a taquicardia ocorre?

 

Como já falado, a taquicardia é caracterizada pelo aumento dos batimentos cardíacos. Isso ocorre como uma reação natural do corpo e afeta diretamente a forma que o coração funciona.

 

Para entender esse fenômeno, é preciso compreender o funcionamento do órgão.

 

Basicamente, o coração faz dois movimentos: a diástole, quando todos os músculos se contraem e há a expulsão do sangue, e a sístole, quando há o relaxamento e o órgão se enche.

 

O que controla esse ritmo é um estímulo elétrico gerado no próprio coração, em uma área chamada nó sinusal, que fica localizado na parte superior. Esse impulso, então, é passado para todas as células, que o propagam e fazem o movimento.

 

Mas nem sempre isso ocorre como deveria, o que pode levar a taquicardia, que é dividida em tipos, para expressar onde ocorre essa disfunção:

  • taquicardia sinusal: ocorre no nó sinusal, ou seja, na geração do estímulo elétrico;

  • taquicardia atrial: ocorre nos átrios, câmaras superiores que recebem o sangue;

  • taquicardia ventricular: ocorre nos ventrículos, câmaras inferiores que distribuem o sangue pelo corpo e

  • taquicardia supraventricular: ocorre em toda a parte de cima do coração, incluindo o nó sinusal, os átrios e a junção com os ventrículos.

 

Além dessas, ainda há a fibrilação atrial, que ocorre quando a parte superior do coração não bate regularmente com a parte inferior, e o flutter atrial, quando os átrios batem muito rapidamente.

 

Entre essas citadas, a taquicardia sinusal é a causa mais comum dos batimentos acelerados, visto que está ligada a respostas físicas e emocionais.

 

Já em relação a patologias, destaca-se a fibrilação atrial, a mais recorrente na terceira idade, afetando até 9% dos pacientes com mais de 80 anos, e o flutter atrial, que afeta 88 a cada 100 mil pessoas.

Você sabe medir seus batimentos cardíacos?

 

Se você percebeu que os seus batimentos estão acelerados e não há nenhuma razão física ou emocional para isso, é necessário ficar atento às doenças cardíacas. O primeiro passo para isso é verificar se não há outros sintomas, como dor no peito ou desmaios. Além disso, é importante medir os batimentos, seguindo os passos:

  • estar em repouso por pelo menos cinco minutos, antes de iniciar a contagem;

  • caso seja possível, deite-se ou sente-se de maneira confortável;

  • meça a pulsação suavemente, colocando a ponta dos dedos indicador e médio sobre o pulso que se opõe. Assim, será possível sentir os batimentos cardíacos pela artéria que passa pelo punho;

  • movimente ou pressione os dedos para os lados, até sentir a pulsação e

  • marque o tempo de um minuto no relógio e verifique quantas pulsações contaram nesse período.

 

O ritmo normal para um adulto em repouso pode variar de 60 a 100 batimentos por minuto. No entanto, caso esteja acima de 100, isso dirá que está mais acelerado do que o normal.

 

É muito importante estar atento à sua saúde cardíaca. Se verificar a persistência do coração acelerado sem motivo aparente, é necessário procurar um especialista para verificar se há a presença de alguma arritmia. Isso só será possível avaliar após a solicitação do eletrocardiograma.

 

O que é um eletrocardiograma?

 

Ao notar que você está com o coração acelerado, o cardiologista irá solicitar um eletrocardiograma. Este exame proporciona uma análise da frequência e do ritmo cardíaco do paciente por meio da atividade elétrica do coração. Ele pode ocorrer em repouso, tendo duração de até 5 minutos, ou em uma situação de estresse.

 

Nesse último caso, também é chamado teste de estresse, onde o paciente utiliza uma esteira ou uma bicicleta em diferentes intensidades para aumentar os batimentos, possibilitando uma visão mais completa dos movimentos cardíacos e facilitando o diagnóstico de doenças cardíacas.

 

Dessa forma, o eletrocardiograma é sempre o próximo passo ao ser notado alguma anomalia, podendo variar o tipo de exame conforme o histórico familiar e outros sintomas apresentados. Por meio da identificação de alterações, o médico traçará qual é o tratamento mais adequado.

 

Crises de ansiedade e aumento dos batimentos cardíacos

 

Sabemos que a ansiedade é uma condição de sentimento desagradável, vago e indefinido, que pode ser acompanhada de sensações como:

  • frio no estômago;

  • tremores;

  • falta de ar;

  • aperto no peito e

  • coração acelerado.

 

Todas essas reações são naturais e fazem parte da defesa do corpo, que está se preparando para se defender de ameaças.

 

No entanto, quando essas crises tornam-se frequentes, deixa de ser um contexto natural de proteção e passa para o quadro de patologia. Ou seja, o paciente usa essa condição de alerta como um fator estressante, o que acaba atrapalhando a sua reação em momentos de perigo.

 

Assim, o transtorno de ansiedade generalizada consiste em uma doença crônica, com curtos períodos de remissão, que interfere diretamente na saúde psicológica.

 

Como diferenciar o coração acelerado por ansiedade e por problemas cardíacos?

 

Apesar de a ansiedade e dos problemas cardíacos terem sintomas similares, existem algumas diferenças. Uma delas é que, em geral, a ansiedade causa dor no peito, mas sem uma grande pressão. Esse desconforto também pode ser sentido em outras partes do corpo, como:

  • braços;

  • pernas;

  • pescoço;

  • tórax e

  • dedos da mão.

 

Além disso, normalmente, a crise de ansiedade atinge um ponto máximo entre 10 e 20 minutos e, depois desse período, há uma normalização dos batimentos. Outros fatores que podem facilitar a diferenciação são eventos similares no passado, mudanças de humor repentinas e sintomas de depressão.

 

Como diminuir os batimentos cardíacos em casa?

 

Tão importante quanto conhecer a causa é saber como lidar com o coração acelerado. Para isso, deve-se buscar maneiras de relaxar e promover o bem-estar. O primeiro passo é controlar a respiração, inspirando lentamente pelo nariz e expirando pela boca.

 

Além disso, recomenda-se ter hábitos mais saudáveis, como:

  • abandonar o tabagismo;

  • evitar o consumo de álcool;

  • ter uma alimentação saudável, sem muitas gorduras e

  • dormir bem.

 

Visite um cardiologista

 

Ao sentir o seu coração acelerado, é essencial visitar um cardiologista para verificar se está tudo bem e, caso necessário, começar um tratamento para controlar a taquicardia. Em uma consulta com um médico especializado, você poderá tirar suas dúvidas, compreender as possíveis causas para o problema e ainda verificará a sua saúde cardiovascular por meio dos seus sintomas, histórico familiar e exames.

 

É importante, ainda, ressaltar que as consultas regulares são recomendadas para todos que desejam ter uma vida com mais qualidade e evitar possíveis complicações que podem surgir pelos batimentos cardíacos muito rápidos, independentemente das suas causas.

 

Caso você ainda tenha alguma dúvida sobre o que pode causar o coração acelerado ou o que deve ser feito ao presenciar esses sintomas, conte conosco. A equipe Unicardio atua em Florianópolis e irá orientar você conforme as suas necessidades.

    Inscreva-se em nossa newsletter

    Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.