Cuidado! Mulheres têm maior risco de desenvolver problemas cardiovasculares

03/05/2018 | | publicado por

Cuidado! Mulheres têm maior risco de desenvolver problemas cardiovasculares

Os problemas cardiovasculares vitimam um número maior de mulheres do que o câncer de mama. Segundo informações do Ministério da Saúde (MS), o infarto e o acidente vascular cerebral (AVC) estão no topo da lista das doenças cardiovasculares (DCV) responsáveis pela morte de parte da parcela feminina da população com mais de 50 anos no Brasil.

Algumas pesquisas apontam que o envelhecimento é o que está relacionado à alta incidência dos problemas cardiovasculares entre as mulheres. A explicação está no fato de que, conforme a idade das mulheres avança, elas perdem uma proteção natural: o estrogênio. A falta desse hormônio, que é um regulador do organismo feminino, faz com que os níveis de triglicerídeos aumentem, em função do desequilíbrio na distribuição da gordura pelo corpo. A associação desses fatores eleva as chances de a mulher ter um infarto ou um AVC.

Além da menor produção de estrogênio, o estilo de vida que algumas mulheres adotam para si contribui para que elas sejam as maiores vítimas dos problemas cardiovasculares. Muitas são obesas, têm diabetes descontrolado, fumam, são sedentárias, vivem estressadas no dia a dia e têm pressão alta.

Há, ainda, o fato de que existe pouco conhecimento sobre os sinais do infarto para saber reconhecê-los, apesar de elas compreenderem o quanto a prática de uma atividade física, o controle do peso e do estresse, e um estilo de vida que contemple hábitos alimentares saudáveis são imprescindíveis para a proteção do organismo.

Por essa razão é que vale a máxima: todo o cuidado é pouco. Ainda mais em se tratando de problemas cardiovasculares. Existem formas de se precaver que são bem simples, até.

4 maneiras de a mulher evitar os problemas cardiovasculares

Consultar um cardiologista

Há quem acredite que ir ao médico serve apenas para procurar problema onde não existe. Só que não é bem assim. A medicina também existe para orientar a população sobre as formas de prevenção das doenças. Por isso, mesmo quando não há nada com o que se preocupar, não custa dedicar algumas horas, no ano, para ir ao cardiologista, realizar os exames recomendados e se certificar de que o coração vai muito bem, obrigado! É mais fácil eliminar os sinais dos problemas cardiovasculares logo que eles surgem do que tratar o problema em si.

Consultar um endocrinologista

Parte das doenças cardiovasculares têm como fatores de risco as alterações hormonais. Por isso, é muito importante que as mulheres consultem-se com um médico especialista em endocrinologia para certificar-se de que suas taxas hormonais estão normais e não representam risco para o coração. Isso ajuda não só a manter a saúde cardíaca, mas, também, garante que todo o organismo está saudável e funcionando adequadamente.

Movimentar o corpo

O corpo precisa de movimento para funcionar bem. Não basta sair da cama, arrumar-se e ir andando até o elevador e, depois, até o carro. Isso não é o suficiente para o corpo ganhar força, melhorar a oxigenação do sangue, eliminar substâncias nocivas e controlar o peso e o colesterol, por exemplo. É preciso que o elevador seja deixado de lado para usar as escadas e que o carro seja deixado na garagem para que o caminho até o trabalho seja percorrido a pé, sempre que possível. É dessa forma que muitas pessoas deixam de ser sedentárias.

A prática de uma atividade aeróbica regularmente é capaz até de diminuir o risco de a mulher ter algum dos problemas cardiovasculares. A dica é realizar uma atividade física aeróbica de intensidade moderada. Praticá-la três vezes na semana, pelo menos, por cerca de 30 minutos, no mínimo, já o suficiente para o organismo se manter saudável.

Ingerir bons alimentos

Poucas coisas ajudam mais uma pessoa a manter-se saudável do que a alimentação. A ingestão de bons alimentos, aqueles que fazem bem para o organismo, são os que devem estar sempre no prato.