Alimentos para diabéticos: o que pode e o que não pode na dieta

Por: - Médico Cardiologista - CRM/SC 6716 RQE 2959
Publicado em 16/11/2022

Alimentos para diabéticos: o que pode e o que não pode na dieta

Quando se recebe o diagnóstico de diabetes, um dos primeiros pensamentos que o paciente pode ter de que não poderá mais comer nada do que está acostumado. Também começam as pesquisas sobre alimentos para diabéticos.

É verdade que será preciso realizar uma reeducação alimentar, a fim de controlar a doença e impedir que ela gere danos mais graves à saúde. No entanto, não é preciso ter medo: a lista do que um diabético pode comer é bem maior do que os itens que devem ser evitados.

Nós vamos te comprovar isso neste material. Acompanhe a leitura e, caso você tenha sido diagnosticado com diabetes, veja o que pode colocar no prato.

Um pouco sobre a diabetes

Antes de começarmos a listar os alimentos para diabéticos, vamos aprender um pouco sobre o que é a doença. A doença é uma condição em que os níveis de glicose no sangue permanecem altos. Isto é, a quantidade de açúcar correndo nos vasos sanguíneos.

Nas pessoas sem o problema, essas taxas ficam elevadas após uma refeição, mas, em seguida, o hormônio insulina carrega as moléculas de glicose para dentro das células, de maneira que elas se transformam em energia. Infelizmente, é isso o que não funciona direito para os pacientes que possuem o diabetes.

O tipo 1 da enfermidade ocorre quando o pâncreas não consegue produzir insulina. Já o tipo 2 é a resistência gerada pelo organismo a esse hormônio, geralmente, após muitos anos de hábitos ruins de vida, como alimentação desregrada e sedentarismo.

Para as duas formas, é necessário promover uma reeducação alimentar, pois o corpo não consegue aguentar tanta glicose de uma vez só.

Leia também: Hábitos saudáveis e simples de aplicar no dia a dia

Alimentos para diabéticos: o que evitar

Vamos começar com a lista de alimentos para diabéticos evitarem. Como acabamos de mencionar, é necessário tomar cuidado com a quantidade de açúcar ingerido. Assim, o óbvio é deixar um pouco de lado os doces, chocolates, balas e sobremesas em geral.

Contudo, não acaba por aí. Iremos detalhar um pouco mais sobre o que não comer.

Carboidratos refinados

Existe uma categoria de alimentos que é caracterizada como “de alto teor glicêmico”. Isso significa que, quando comemos, esses produtos liberam glicose de forma muito rápida, mesmo quando não são doces.

Os carboidratos refinados são a maior parte dessa categoria. Afinal, esse nutriente também se transforma em açúcar e energia.

Então, é bom comer com muita moderação: massas, pães, bolos, bolachas e outros produtos industrializados que possuem esse tipo de carboidrato.

Não pode açúcar, mas e o mel e o melaço?

Substituir o açúcar refinado pelo mel ou melaço da cana-de-açúcar não é uma boa ideia. Essas outras duas opções são ricas em frutose, que é um tipo de açúcar também maléfico à saúde dos diabéticos. O melhor a se fazer é utilizar adoçantes, como stevia, sacarina e aspartame.

Os alimentos bons para os diabéticos

Agora é a hora de conhecer a grande lista de tudo o que um diabético pode comer. Veja:

  • legumes: a categoria que é boa para todo mundo e que tem várias opções. Aposte em brócolis, alface, pepino, espinafre, couve-flor, chuchu, vagem e muito mais. Você estará enchendo o seu corpo de nutrientes;

  • frutas: podem gerar polêmicas, pois possuem açúcar. Todavia, as frutas estão liberadas para os diabéticos (com moderação). Além de todas as vitaminas que têm, elas ainda são ricas em fibras, que ajudam no controle da glicemia. É como um “antídoto”;

  • leite e derivados: esses alimentos podem fazer parte do dia a dia do diabético. No entanto, é preferível optar por leite sem lactose (que é uma espécie de açúcar) e desnatado (com menos gorduras);

  • gorduras boas: falando nisso, você sabia que existem alimentos gordurosos, mas que são bons para a saúde? É o caso do azeite de oliva, óleo de coco e abacate, que você pode deixar no seu cardápio;

  • carnes e peixes: outras boas opções para enriquecer a dieta;

  • grãos integrais: aveia, farinha de trigo, linhaça e chia são alguns exemplos dessa categoria, que também é cheia de fibras. Você pode ainda consumir macarrão e arroz integral, que possuem carboidratos, mas com baixo nível glicêmico;

  • troque o chocolate pelo cacau em pó: enquanto o chocolate comum tem muito açúcar, o cacau em pó é rico em flavonoides, compostos que ajudam na saúde dos vasos sanguíneos e coração, estruturas que podem ser afetadas pela diabetes.

Nunca mais vou poder comer uma sobremesa?

Falar em “nunca mais”, seja para a diabetes ou qualquer outra doença, é algo muito drástico. Em um dia ou outro, você pode comer algum doce, mas em pouca quantidade e analisando as suas taxas de glicemia, para não passar mal.

É por isso que ter o acompanhamento de um nutricionista ajuda a saber o que ingerir e quando fazer isso, sem dietas extremamente restritivas, que apenas atrapalham a qualidade de vida do paciente.

O médico endocrinologista também é essencial nessa adaptação de cuidados com a saúde. É ele que analisa e trata as questões hormonais do organismo. Aqui, na Unicardio, temos esses especialistas prontos para cuidar dos nossos pacientes.

Leia também: Como é a consulta com um endocrinologista?

Alimentação para diabéticos: nem sempre é fácil, mas com ajuda, é possível

Descobrir que tem diabetes pode ser algo difícil de lidar. Será necessário encarar mudanças de hábitos e os alimentos para diabéticos podem gerar muita confusão e dúvidas.

Porém, não se preocupe! Saiba que os nossos médicos estão à disposição para te ajudar. Sempre que você tiver alguma pergunta, entre em contato pelo nosso site e eles irão esclarecer o que precisar.

Material escrito por:
Médico Cardiologista - CRM/SC 6716 RQE 2959

Graduação em Medicina pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) (1989-1995); Residência em Clínica Médica no Hospital Universitário da Universidade...

    Inscreva-se em nossa newsletter

    Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.