Menopausa e o risco de hipertensão arterial

Por: - Médica Cardiologista - CRM/SC 12810 RQE 17973
Publicado em 18/03/2020

Menopausa e o risco de hipertensão arterial

Quando se fala em menopausa, a maioria das mulheres pensa nas ondas de calor e na osteoporose. Poucas sabem que, nesta fase, é preciso se preocupar também com um mal silencioso, que não provoca sintomas iniciais, mas que pode trazer sérias complicações à saúde: a hipertensão arterial. 

A hipertensão arterial acomete a mulher geralmente entre 45 e 55 anos, ou seja, no início do climatério, quando a produção de estrogênio pelos ovários decresce gradativamente até cessar com a menopausa. Com isso, a mulher perde a importante proteção cardiovascular promovida pelo estrogênio.Após os 65 anos de idade, a incidência de Hipertensão é igual para os homens e para as mulheres. 

Por que o estrogênio protege o coração das mulheres?

O hormônio estrogênio é um protetor e aliado do coração, pois estimula a dilatação dos vasos, facilitando o fluxo sanguíneo. Com a chegada da menopausa, o nível desse hormônio diminui, o que aumenta o risco do desenvolvimento de algumas doenças. 

“Após a menopausa, a mulher deixa de produzir estrogênio. Este hormônio é um protetor natural e tem propriedades vasodilatadoras e antienvelhecimento e endurecimento vascular. A existência destes fatores vai aumentar, ao longo dos anos, a propensão à hipertensão”, explica o presidente do Departamento de Hipertensão da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Marcus Malachias.

Dicas de cuidados com o coração durante a menopausa

Devido à relação entre menopausa e as doenças cardiovasculares, é preciso que sejam tomadas algumas medidas preventivas para que a saúde do coração não seja prejudicado.

Confira as ações consideradas fundamentais para a manutenção da saúde da mulher:

  1. manter hábitos alimentares saudáveis, reduzindo sal, café e gorduras saturadas;
  2. parar de fumar;
  3. evitar o consumo excessivo de álcool;
  4. praticar atividades físicas, preferencialmente aeróbicas, como caminhada, natação e hidroginástica, por pelo menos 30 minutos por dia e
  5. manter-se no peso adequado.

É importante, ainda, consultar-se regularmente com um cardiologista para que seja feito o acompanhamento da pressão arterial e, assim, evitar o surgimento de outras doenças cardíacas. 

Para as mulheres hipertensas é especialmente importante que conversem com seus médicos sobre interromper o uso de medicamentos anticoncepcionais, que aumentam as chances de evoluírem com tromboses, entupimentos dos vasos sanguíneos e, sua complicação mais grave, a embolia pulmonar – quando parte dos coágulos sanguíneos migra até o pulmão causando um quadro muito grave.

Este artigo foi útil para você? Compartilhe ele nas suas redes sociais para que mais pessoas conheçam a relação entre menopausa e hipertensão!

Material escrito por:
Médica Cardiologista - CRM/SC 12810 RQE 17973

Graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS/Conclusão 1997) Residência em Cardiologia pela Santa Casa de...

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.