Diabetes: o que é, os tipos de diabetes existentes, como tratar e informações importantes.

Por: - Endocrinologista - CRM/SC 10157 RQE 7075
Publicado em 24/07/2019

Diabetes: o que é, os tipos de diabetes existentes, como tratar e informações importantes.

Segundo dados do Ministério da Saúde, são 14 milhões de pessoas que precisam conviver com as limitações impostas pela diabetes.

Você sabe o que acontece em nosso corpo para desencadear a doença e como proceder? Confira o artigo produzido com a colaboração da Dra. Ana Paula Gomes Cunha (CRM/SC 10157 RQE 7075), Endocrinologista da Unicardio.

O que é a diabetes?

Diabetes é uma doença que leva ao aumento da glicemia, que é a quantidade de açúcar no sangue. Ela é decorrente da falta de insulina no corpo ou da dificuldade da mesma em agir, o que chamamos de resistência à ação da insulina.

A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas, um órgão que fica dentro do abdome, e esse hormônio age levando a glicose do sangue para dentro das células, para poderem funcionar.

Alguns sintomas do diabetes:

– Muita sede;

– Sensação de estar sempre com a boca seca;

– Emagrecimento;

– Sensação de muita fome.

 

Tipos de diabetes

Existem, em geral, 3 tipos de diabetes:

Diabetes tipo 1 é uma doença autoimune e ocorre quando o sistema imunológico ataca as células do pâncreas que produzem insulina. Quem tem o diabetes tipo 1, não tem a produção do hormônio, então necessita usar insulina como tratamento. Geralmente aparece em crianças, adolescentes e adultos jovens.


Diabetes tipo 2
 aparece usualmente em uma fase mais tardia, após os 40 anos de idade. Ela ocorre quando o corpo produz a insulina, porém a mesma não consegue agir, ou seja, ela não leva a glicose para dentro das células para que elas funcionem.

Esse tipo de diabetes é mais comum em adultos, e tem como fatores de risco:

– Obesidade e Sobrepeso;

– Má alimentação;

– Sedentarismo;

– Hereditariedade.

E também existe o diabetes gestacional, que aparece durante a gestação. Este, se não tratado adequadamente, aumenta o risco de crescimento excessivo do bebê, hipoglicemia no bebê após o nascimento (baixa quantidade de glicose no sangue) e alto risco de obesidade e diabetes na vida adulta.

 

Diferença entre pré diabetes e diabetes:

O diagnóstico é feito pelo nível de glicose no sangue. Veja:

No caso da pré diabetes: caso a glicemia em jejum, estiver acima de 100 e abaixo de 126, é diagnosticado o pré diabetes. Se estiver maior ou igual a 126, é diagnosticado o diabetes.

Outra maneira de diagnosticar diabetes é com a hemoglobina glicada, que consiste em um exame de laboratório, que é relacionado a média da glicose no sangue dos últimos 3 meses. Caso o resultado seja acima de 6.5, é diagnosticado diabetes.

Existe também a opção do teste de sobrecarga oral de glicose, que serve principalmente, para fazer o diagnóstico diferencial entre pré-diabetes e diabetes e é indicado pelo médico quando existe a necessidade do diagnóstico. É feito no laboratório, onde o paciente coleta o sangue em jejum, ingere um líquido doce e 2 horas depois, coleta o sangue novamente. Se a glicemia após as 2 horas, estiver maior ou igual a 200, é diagnosticado diabetes. Se tiver maior ou igual a 140 e menor que 200, é diagnosticado pré diabetes.

O pré-diabetes é o aumento da glicemia acima do normal, mas abaixo do valor para o diagnóstico de diabetes. Os fatores de risco são os mesmos do diabetes tipo 2, e podem prevenir a evolução para o diabetes através da redução de peso, alimentação saudável, prática de atividades físicas regulares. Em alguns casos, tem a indicação de também fazer tratamento medicamentoso.

 

Cuidados para quem tem diabetes:

  • Prática regular de atividade física;
  • Cuidados com alimentação: não comer alimentos com açúcar (nenhum tipo de açúcar, seja o branco, mascavo, demerara, mel e melado)
  • Preferência para os carboidratos integrais;
  • Evitar alimentos com farinhas brancas;
  • Atenção aos sucos, mesmo que naturais sem açúcar. Laranja, uva e manga – por exemplo – são frutas que contém muito açúcar da própria fruta.
  • Tomar as medicações corretamente.

 

Caso tenha mais alguma dúvida, fique à vontade para agendar uma consulta com nossa equipe de Endocrinologistas.

Material escrito por:
Endocrinologista - CRM/SC 10157 RQE 7075

Graduação em Medicina pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC/1996-2002) Residência em Clínica Médica no Hospital Regional de São José...

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.