Você sabe o que é um bloqueio atrioventricular de grau um?

Por: - Médico Cardiologista - CRM/SC 13143 RQE 18814/ 9707
Publicado em 08/05/2020

Você sabe o que é um bloqueio atrioventricular de grau um?

Se você já foi ao cardiologista pode ter ouvido o especialista falar em bloqueio atrioventricular. Esse é um bloqueio cardíaco, identificado pelo eletrocardiograma, que deve ser investigado pelo especialista. 

“O bloqueio atrioventricular é um alentecimento que acontece dentro do coração, na  parte elétrica, que comunica a parte de cima, o átrio, com a parte de baixo, o ventrículo”, esclarece o Dr. Alexander Dal Forno (CRM/SC 13143 RQE 18814/9707), cardiologista da Unicardio.

O cardiologista acrescenta que “existem 3 tipos diferentes de bloqueio atrioventricular: o de 1º grau, o de 2º grau e o de 3º grau. Esses bloqueios mudam de acordo com o avanço da doença e com a sua gravidade.”

A gravidade é classificada pelos graus da doença: “Um bloqueio de 3º grau é mais grave que um bloqueio de 2º grau que, por sua vez, é mais grave que o bloqueio de 1º grau, que é completamente benigno”, explica o Dr. Alexander.

Os graus do bloqueio atrioventricular

O bloqueio cardíaco pode ser congênito, quando o paciente já o detém desde o nascimento, ou pode, também ser adquirido, sendo desenvolvido ao longo da vida. 

Há três diferentes graus de bloqueio atrioventricular. O primeiro grau é o mais leve. Tanto o bloqueio cardíaco congênito quanto o adquirido podem ser classificados dessa maneira.

O bloqueio atrioventricular de segundo grau é classificado como intermediário e necessita de tratamento. Condiz com um problema no sistema de condução elétrica do coração, por meio de um bloqueio de condução entre os átrios e ventrículos. 

Já o bloqueio atrioventricular de terceiro grau é o de maior gravidade. Nesse caso, produz-se uma interrupção da condução atrioventricular, o que leva a uma desconexão elétrica entre os átrios e ventrículos.

O que acontece no bloqueio atrioventricular de grau um

No bloqueio atrioventricular de primeiro grau, há um retardamento dos sinais elétricos do coração para o trajeto dos átrios (câmara superior do coração) até os ventrículos (câmara inferior do coração). Nesse grau, o bloqueio não causa qualquer sintoma e também não necessita de nenhum tipo de tratamento.

Geralmente, o bloqueio atrioventricular de primeiro grau não tem causas específicas. A probabilidade é de que haja um problema na condução do impulso elétrico, que vem do nó sinusal e vai até o nó atrioventricular. Assim, o que acontece é uma lentidão da passagem do estímulo elétrico, observado num trajeto de estimulação cardíaca normal.

Consulte um cardiologista regularmente

É importante saber que o bloqueio atrioventricular não manifesta nenhum sintoma. Da mesma forma, não existem maneiras práticas de preveni-lo, já que o mesmo ocorre espontaneamente. 

“O tratamento depende muito do tipo do bloqueio e o nível de bloqueio. Por isso, o ideal é consultar-se com um cardiologista, para verificar o tipo de bloqueio e se há necessidade de colocar um marca passo para corrigir o bloqueio atrioventricular”, exemplifica o Dr. Alexander.

A importância do eletrocardiograma 

O eletrocardiograma é um exame que detecta a atividade elétrica do coração, localizando possíveis problemas e doenças cardíacas. Os sinais elétricos levam à contração do músculo cardíaco, na medida em que percorrem o coração. O exame analisa a velocidade das batidas do coração, além de registrar a força e o ritmo dos sinais elétricos.

É importante realizar o exame sempre que solicitado pelo cardiologista, para verificar os problemas cardíacos que alteram a assinatura elétrica do órgão. No eletrocardiograma, analisa-se, por exemplo, as chances de uma pessoa ter:

  • um ataque do coração; 
  • batimentos irregulares; 
  • ausência de fluxo sanguíneo no músculo cardíaco;
  • pouca força para o bombeamento do coração.

Por meio dos registros do eletrocardiograma, o médico diagnostica doenças cardiovasculares que pode já ter ocorrido ou serem detectadas no momento em que estão acontecendo. Os registros do exame também podem demonstrar a qualidade do músculo cardíaco e partes do coração, problemas cardíacos congênitos ou doença nas válvulas do órgão. 

O exame é indolor e não afeta a saúde do coração. Os eletrodos são fixados na pele do tórax braços e pernas. O paciente permanece deitado e parado para detectar os primeiros sinais elétricos do coração. Com duração de aproximados dez minutos, o exame registra, em uma tela ou no papel gráfico, os sinais obtidos na verificação.

Se ainda tiver dúvidas sobre o tema, entre em contato com nossa equipe.

Para saber como cuidar do seu coração, leia gratuitamente nosso e-book “Guia do Coração”.

Material escrito por:
Médico Cardiologista - CRM/SC 13143 RQE 18814/ 9707

O Dr. Alexander Dal Forno é formado em Medicina pela UFSM e tem os títulos de especialista em Clínica Médica, pela Sociedade Brasileira de Clínica Médica (SBCM/AMB), e em Cardiologia, pelo Hospital São Lucas da PUC-RS e pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC/AMB). Realizou especialização em Eletrofisiologia Clínica Invasiva, pelo Hospital São Lucas da PUC-RS e pela Sociedade Brasileira de Arritmia Cardíaca (SOBRAC).

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.