Setembro vermelho: o mês para cuidar do coração

Por: - Médico Cardiologista - CRM/SC 6716 RQE 2959
Publicado em 05/09/2022

Setembro vermelho: o mês para cuidar do coração

Você conhece a campanha Setembro Vermelho? Ela é extremamente importante para nós, da Unicardio, uma vez que o objetivo é mostrar à população a importância dos cuidados com a saúde cardíaca. Além disso, aborda ainda as formas de prevenção de doenças, sinais de alerta de que algo não vai bem e, é claro, quando procurar o médico cardiologista.

O coração é um órgão vital e, quando não está funcionando corretamente, todo o corpo sofre. Afinal, os demais órgãos precisam do fluxo de sangue, bombeado por ele, a fim de cumprirem suas respectivas missões.

Portanto, as ações do Setembro Vermelho mostram que todo cuidado é pouco. Porém, ao mesmo tempo, hábitos simples já contribuem para que o nosso coração bata mais saudável. Quer aprender mais sobre o assunto? Acompanhe este material que preparamos!

Como estão os corações dos brasileiros?

Infelizmente, os brasileiros não estão muito bem quando o assunto é saúde cardíaca. A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) criou o cardiômetro, que mostra, em tempo real, a quantidade de mortes no país por doenças que afetam o coração. Somente de janeiro até a metade do mês de agosto de 2022, mais de 250 mil pessoas morreram por problemas no órgão.

O levantamento também mostra que são cerca de 1,1 mil óbitos por dia. Isso é o dobro das mortes geradas por todos os tipos de câncer. A estimativa é de que, até o final de 2022, o número de vítimas alcance mais de 400 mil.

Setembro Vermelho: as condições que prejudicam o coração também estão em alta

Em meio a esses dados alarmantes, a campanha Setembro Vermelho também visa mostrar que as comorbidades que prejudicam o coração e estão em alta entre os brasileiros. Um exemplo é a hipertensão, que faz com que o músculo cardíaco precise de maior força para bombear o sangue. De acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão, 30% dos adultos do país estão hipertensos.

Já a respeito da diabetes, a taxa é de 16,8 milhões de pessoas, segundo o Ministério da Saúde. A doença deixa as veias e artérias mais enrijecidas e também interfere negativamente no fluxo sanguíneo.

Por fim, não podemos esquecer da obesidade. O acúmulo de gordura corporal sobrecarrega o coração e ainda aumenta os riscos de desenvolver hipertensão e diabetes. A Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (Abeso) mostra que 19,8% dos brasileiros são obesos.

O que esses perigos podem causar

Depois de elencar esses números alarmantes, precisamos mostrar também as doenças e demais problemas que essas condições podem causar. Confira os principais:

  • infarto do miocárdio: quando o coração não recebe o fluxo sanguíneo adequado. Afinal, além de bombear o sangue para os outros órgãos, ele também precisa receber de volta esse líquido;
  • angina: estreitamento das artérias, geralmente, causado pelo acúmulo de gordura nos vasos;
  • arteriosclerose: é o nome dado, especificamente, para as placas de gordura;
  • arritmia: quando os batimentos do coração não estão ocorrendo de forma normal, podendo ser mais fortes do que o necessário ou fracos;
  • cardiopatia e miocardite: situações em que o músculo cardíaco está inchado ou inflamado;
  • insuficiência cardíaca: o coração não tem força suficiente para bombear o sangue;
  • doença arterial periférica: outra condição em que as artérias ficam mais estreitas e prejudicam a circulação sanguínea;
  • endocardite: uma infecção que acomete o músculo cardíaco.

Setembro Vermelho e os sinais de alerta

Outro aspecto fundamental do Setembro Vermelho é informar sobre os sintomas de que o coração está enfrentando algum problema. São eles:

  1. dores no peito, com uma sensação de pressão e que se espalham para os braços, ombros e queixo;
  2. náuseas e vômitos;
  3. perda de apetite;
  4. falta de ar;
  5. suor frio;
  6. tonturas e desmaios;
  7. tosse seca e persistente;
  8. inchaços nas pernas.

Percebeu esses sinais? Procure imediatamente o médico cardiologista!

O seu coração bate feliz quando você mantém esses hábitos

A boa notícia é que é possível evitar todos esses problemas que mencionamos anteriormente. Para isso, mantenha os seguintes hábitos:

  • alimente-se de forma equilibrada, com preferência em frutas, legumes, grãos e carnes magras;
  • evite o consumo de alimentos ultraprocessados, gordurosos, salgados e açucarados;
  • pratique exercícios físico05
  • cuidado com o excesso de estresse;
  • não se automedique;
  • controle as doenças associadas, como hipertensão e diabetes.

Outro cuidado fundamental: consultar periodicamente o cardiologista. Este é o médico especialista em deixar os nossos corações bem.

O mais recomendado é que as mulheres comecem a se consultar, anualmente, a partir dos 50 anos. Para os homens, essa idade é de 45 anos. No entanto, caso você já tenha histórico de problemas cardíacos na família e/ou perceba os sintomas que mostramos, não espere chegar a essa faixa etária.

Para além do Setembro Vermelho: cuide sempre do seu coração

Mesmo quando a campanha Setembro Vermelho acabar, mantenha em sua mente essas dicas de cuidados com o coração. Em nossas redes sociais, sempre publicamos informações preciosas que podem ajudar. Portanto, fazemos o convite: venha nos seguir no Instagram e no Facebook.

Se tiver alguma dúvida sobre o cuidado com o coração, entre em contato conosco. Você também pode aproveitar o mês de conscientização para fazer aquele ckeck-up cardiológico. Neste caso, agende sua avaliação individual pelo WhatsApp.

Material escrito por:
Médico Cardiologista - CRM/SC 6716 RQE 2959

Graduação em Medicina pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) (1989-1995); Residência em Clínica Médica no Hospital Universitário da Universidade...

    Inscreva-se em nossa newsletter

    Receba mais informações sobre cuidados para a saúde em seu e-mail.